Apresentação


Ele nasceu livre. Mahommah Gardo Baquaqua, como muitos outros africanos escravizados nas Américas, teve uma cidade natal, uma família e em alguma parte de sua juventude sofreu com a violência da guerra. Ele foi escravizado e exportado através do porto de escravos mais importante na África Ocidental, o porto de Uidá (Whydah), no reino de Dahomey. Foi então enviado para o Brasil em um tumbeiro (navio negreiro) e descarregado em uma praia no norte de Pernambuco em 1845. Naquela época, o comércio transatlântico de escravos já era proibido no Brasil. Logo, sua condição de escravo, por lei, já seria ilegal.

Baquaqua primeiro foi escravo de um padeiro em Pernambuco. Depois de tentar tirar sua própria vida ele foi vendido para um capitão de navio no Rio de Janeiro, com o qual viajou ao longo da costa brasileira, principalmente ao Rio Grande do Sul. Durante uma viagem a Nova York em 1847, ele foi capaz de escapar da escravidão, morando posteriormente dois anos no Haiti durante uma época de turbulência política. Sob a proteção da American Baptist Free Mission Society ele voltou para os Estados Unidos da América no final de 1849 para se inscrever no New York Central College ,em McGrawville, onde ele estudou entre 1850-53.

Como membro de uma família muçulmana na África, Baquaqua aprendeu a escrever em árabe e ajami. No Brasil ele aprendeu português, assim como algum francês e créole haitiano durante os dois anos que passou no Haiti. Em Nova York, ele aprendeu inglês o suficiente para ler e escrever cartas, quando em 1854 publicou sua autobiografia em Detroit, com a ajuda de seu editor Samuel Moore.

No período em que escreveu sua biografia, Baquaqua estava morando em Chatham, Canadá West (Ontário), que na época era um dos principais terminais da Underground Railroad dos EUA. No início de 1855, seis meses após a publicação de “An Interesting Narrative. Biography of Mahommah G. Baquaqua“, ele se mudou para a Grã-Bretanha onde permaneceu até pelo menos 1857. Nós não sabemos o que aconteceu com Baquaqua depois daquele ano. Em algumas cartas, ele havia revelado seus planos de voltar à África. Parece possível que ele voltou para Lagos ou o delta do Níger.

As reminiscências de M. G. Baquaqua formam uma um relato particularmente importante da diáspora africana. Tal como outros escritos biográficos, este nos permite ver o indivíduo para além do escravizado e do contexto da escravidão. O Projeto Baquaqua se pretende uma chance de imaginar, aprender e compreender e, através do senso de alteridade, a construir empatias e identificação.

Bruno Véras e Paul Lovejoy